quinta-feira, 29 de julho de 2010

Quem crê em Mim viverá!!


Comentário ao Evangelho do dia feito por : Santo Agostinho (354-430), Bispo de Hipona (Norte de África) e Doutor da Igreja Sermões sobre o Evangelho de João, n° 49, 15
«Quem crê em Mim viverừQuem crê em Mim, mesmo que tenha morrido, viverá. E todo aquele que vive e crê em Mim não morrerá para sempre.» Que quer isto dizer? «Quem crê em Mim, mesmo que tenha morrido como Lázaro, viverá», porque Deus não é um Deus de mortos mas um Deus de vivos. Já a propósito de Abraão, de Isaac e de Jacob, os patriarcas há muito mortos, Jesus tinha dado aos judeus a mesma resposta: «Eu sou o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacob; não um Deus dos mortos, mas dos vivos, porque para Ele todos estão vivos» (cf. Lc 20, 38). Por isso, crê e, mesmo que estejas morto, viverás! Mas se não crês, mesmo que estejas vivo, na verdade estás morto. [...] De onde vem a morte da alma? Vem do facto de a fé já lá não estar. De onde vem a morte do corpo? Vem do facto de a alma já lá não estar. A alma da tua alma é a fé. «Quem crê em Mim, mesmo que tenha morrido no seu corpo, terá a vida na sua alma até que o próprio corpo ressuscite para nunca mais morrer. E quem vive na sua carne e crê em Mim, embora tenha de morrer durante algum tempo no seu corpo, não morrerá para a eternidade, devido à vida do Espírito e à imortalidade da ressurreição.»É isto que Jesus quer dizer na Sua resposta a Marta. [...] «Crês nisto?» «Sim, ó Senhor, respondeu ela, eu creio que Tu és o Cristo, o Filho de Deus que havia de vir ao mundo. E, acreditando nisto, acreditei que és a ressurreição, acreditei que és a vida, acreditei que aquele que crê em Ti, mesmo que morra, viverá; acreditei que quem está vivo e crê em Ti não morrerá para a eternidade.»

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Nos coloquemos a caminho e a disposição!!


Teresa ia tranquila a caminho de Segóvia: a fundação não parecia apresentar nenhum problema. Além disso, gostava de viajar com pouca gente, sem espalhafato, e desta vez só a acompanhavam frei João da Cruz, Julião de Ávila, Isabel de Jesus _ a autora do cantarcillo de Salamanca _ e um leigo: Antônio Gaytán, apenas quatro companheiros, mas dos mais eficazes.

Viúvo, proprietário de alguns bens, Antônio Gaytán entusiasmara-se tanto com o Carmelo reformado que suplicara à Madre Teresa que dispusesse dele em tudo o que precisasse. A Madre Fundadora não precisava de que lhe repetissem duas vezes esse gênero de discurso, de modo que, a partir desse momento, Antônio Gaytán não parou mais. Colocou à frente da sua casa uma governanta encarregada da educação das suas filhas e passou a acompanhar Teresa.

Pelo caminho, ia bebendo dos lábios da Madre os princípios espirituais adaptados às circunstâncias da vida cotidiana de um bom fiel cristão. Teresa achava que, assim como há climas diferentes, estações e mudanças de tempo, assim também as exigências da vida interior variam de acordo com a natureza e as ocupações de cada um.

Hoje podemos também beber dessa fonte, lendo suas obras, nos colocando a caminho e a disposição, não como estudiosos somente, mas como filhos, herdeiros desse mesmo carisma, aprendendo com nossa Santa Madre que Nossa Majestade, é um Deus que nos ama incondicionalmente!!!!!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

São Joaquim e Santa Ana, os avós de Jesus

Os dados biográficos que sabemos sobre os pais de Maria foram legados pelo Proto evangelho de Tiago, obra citada em diversos estudos dos padres da Igreja Oriental, como Epifânio e Gregório de Nissa. Sant'Ana, cujo nome em hebraico significa graça, pertencia à família do sacerdote Aarão e seu marido, São Joaquim, pertencia à família real de Davi. Seu marido, São Joaquim, homem pio fora censurado pelo sacerdote Rúben por não ter filhos. Mas Sant’Ana já era idosa e estéril. Confiando no poder divino, São Joaquim retirou-se ao deserto para rezar e fazer penitência. Ali um anjo do Senhor lhe apareceu, dizendo que Deus havia ouvido suas preces. Tendo voltado ao lar, algum tempo depois Sant’Ana ficou grávida. A paciência e a resignação com que sofriam a esterilidade levaram-lhes ao prêmio de ter por filha aquela que havia de ser a Mãe de Jesus. Eram residentes em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Santana; e aí, num sábado, 8 de Setembro do ano 20 A.C., nasceu-lhes uma filha que recebeu o nome de Miriam, que em hebraico significa "Senhora da Luz", passado para o latim como Maria. Maria foi oferecida ao Templo de Jerusalém aos três anos, tendo lá permanecido até os doze anos.
A devoção aos pais de Maria é muito antiga no Oriente, onde foram cultuados desde os primeiros séculos de nossa era, atingindo sua plenitude no século VI. Já no ocidente, o culto de Santana remonta ao século VIII
, quando, no ano de 710, suas relíquias foram levadas da Terra Santa para Constantinopla, donde foram distribuídas para muitas igrejas do ocidente, estando a maior delas na igreja de Sant’Ana, em Duren, Renânia, Alemanha. Seu culto foi tornando-se muito popular na Idade Média, especialmente na Alemanha. Em 1378, o Papa Urbano IV oficializou seu culto . Em 1584, o Papa Gregório XIII fixou a data da festa de Sant’Ana em 26 de Julho, e o Papa Leão XIII a estendeu para toda a Igreja, em 1879.Em França, o culto da Mãe de Maria teve um impulso extraordinário depois das aparições da santa em Auray, em 1623. Tendo sido São Joaquim comemorado, inicialmente, em dia diverso ao de Sant’Ana, o Papa Paulo VI associou num único dia, 26 de Julho, a celebração dos pais de Maria Santíssima.
Para reflexão:
Ana acreditou e por isso não desistiu. Foi a fé dela que a fez vê quando tudo estava escuro, foi a sua ardente fé que a preparou para a grande graça que estava para chegar. Peçamos a Deus que aumente a nossa fé, mas também nos dê uma fé sólida, como a de Ana, que provada no fogo das dificuldades e da humilhação por ser estéril, permaneceu com o coração em Deus. Deixe-se interrogar, no hoje o que está provando a sua fé, o que está acontecendo para fortalecê-la. Medite, e peça ao Espírito Santo o dom de abrir-se a esta graça.
Ó Ana portadora da verdadeira fé, dá-me uma fé fundamentada na razão de Deus, no querer de Deus. Torna-me templo vivo da fé divina. Amém!

sábado, 24 de julho de 2010

ACONTECEU/ ESTÁ ACONTECENDO

ACONTECEU NO CARMELO DE SANTA TERESINHA

de Fortaleza, no dia 16/07/10, a profissão simples da Irmã Mariana. A Santa Missa (8 h 30 m) foi concelebrada, contando com a presença de Frei Wilson, Frei Fabiano e Frei Júnior, todos ocd. Após a celebração, os familiares e amigos participaram de uma confraternização.
Desejamos à Irmã Mariana que o Espírito Santo oriente sempre a sua vida. Parabéns!!!
Abaixo algumas fotos:


A VIRGEM DO CARMO


SANTA MISSA



IRMÃ MARIANA E IRMÃ BERNADETE


À ESQUERDA DA IRMÃ MARIANA: NEILA E D. IRENE
À DIREITA: VALDETE E REGINA

ESTÁ ACONTECENDO EM IBIAPINA/CE

o Retiro da Comunidade São João da Cruz (23 a 25/07/10). Que a Santíssima Trindade derrame suas bençãos, que do céu caia uma chuva de graças.






Abraços fraternais,
Ceane Ribeiro (Mariana José de Jesus Mazurek, ocds)





sexta-feira, 23 de julho de 2010

ALGUNS TESTEMUNHOS SOBRE O VII ENCONTRO DE JOVENS DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS SECULARES,


ocorrido em Fortaleza/CE, de 16 a 18/07/10.

Jovens participantes do Encontro:

JÉSSICA (vocacionada):
“Tenho mais consciência de que Deus de fato me chama a assumir a Espiritualidade Carmelitana”.

WANDINHA (amiga do Carmelo):
“Os jovens de hoje tem desavenças porque não possuem uma oportunidade assim. Foi bom demais, importante para conhecer mais sobre a Espiritualidade Carmelita”.

JORDANA (sobrinha da Efigênia – presidente da Comunidade Rainha do Carmelo-Fortaleza/CE):
“Não esperava que não ia ser tão legal, ainda bem que vim, senão teria me arrependido”.

JAQUELINE (ocds, Fortaleza/CE):
“Tudo foi animado, empolgante, bem jovem”.

EVERTON (sobrinho da Efigênia):
“No geral, foi muito bom, particularmente, um momento de encontro íntimo”.

JONES (vocacionado):
“Gostei de tudo. É importante essa proposta do Carmelo de viver intensamente, muito bem, cada momento da vida: oração, formação, diversão santa e saudável, etc.”

PAULO (ocds, Ibiapina/CE – Comunidade São João da Cruz):
“O recreio teresiano aqui vivido foi o primeiro que a Comunidade (de Ibiapina) participou. Creio que favoreceu a fraternidade, e aumentou os laços com a família carmelitana”.

ARTUR (ocds, Fortaleza/CE):
“Realmente uma confirmação do meu chamado a ser carmelita, vivendo uma vida fraterna e orante”.

CEANE (ocds, Fortaleza/CE):
“Um Encontro santo e pleno da graça de Deus. Com certeza saímos daqui mais conscientes da nossa responsabilidade enquanto cristãos carmelitas no meio do mundo: semear o Reino de Cristo, praticar o bem”.


Outras pessoas:

FREI JÚLIO, ocd:
“Um Encontro muito organizado, sem dispersão. Foram três dias vivendo o jeito carmelita de ser, foi uma semeadura”.


EFIGÊNIA:
“A presença dos jovens, a generosidade das pessoas que se doaram para a realização desse Encontro, e a participação dos convidados que vieram de fora, marcaram”.

FREI WILSON, ocd:
“Foi alegre, fraterno, importante para conhecer as pessoas que fazem parte do Carmelo. Teve tudo: oração, palestras... foi completo!”.

ANA SCARABELLI (presidente provincial, ocds):
“Grande graça de Deus esse Encontro com a juventude nordestina, que realmente quer fazer do mundo o seu Carmelo. Dia-a-dia façamos nossa experiência com Deus, amado nosso, na alegria de ser e expressar a todos que vale a pena ser carmelita.
Deus lhes pague e abençoe a cada um que se empenhou para e nesse Encontro de Jovens do Carmelo”.

FREI FABIANO, ocd:
“É a primeira vez que participo de um Encontro de Jovens Carmelitas, e também que venho ao Ceará. Gostei muito de conhecer outras pessoas e Comunidades, vivendo e partilhando nosso carisma”.


Louvado seja nosso Bom Deus!!!


Abraços fraternos,

Ceane Ribeiro (Mariana José de Jesus Mazurek, ocds)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Tocar Cristo espiritualmente!!


Comentário ao Evangelho do dia feito por : Santo Agostinho (354-430), Bispo de Hipona (Norte de África) e Doutor da Igreja Sermões sobre o Evangelho de João, nº 121, 3; PL 35,1955-1959


Tocar Cristo espiritualmente«Jesus disse-lhe: Não Me detenhas, pois ainda não subi para o Pai.» Estas palavras contêm uma verdade que devemos examinar com muita atenção. Jesus ensina a fé a esta mulher que O tinha reconhecido como mestre e Lhe dera esse título. O divino jardineiro semeou uma semente de mostarda no coração de Maria Madalena, como num jardim. [...] Que significa pois: «Não Me detenhas, pois ainda não subi para o Pai»? [...]Com estas palavras, Jesus quis que a fé que se tem Nele, fé pela qual Lhe tocamos espiritualmente, chegue a ponto de acreditarmos que Ele e o Pai são um (Jo 10, 30). Porque aquele que progride Nele até reconhecer que é igual ao Pai sobe de algum modo até ao Pai no segredo da sua alma. De outro modo, não se toca Cristo como Ele quer, quer dizer, não se tem Nele a fé que Ele pede. Maria podia acreditar Nele pensando que não era igual ao Pai; mas Ele proíbe-lho com estas palavras: «Não Me detenhas», quer dizer: «Não acredites em Mim no entendimento em que te encontras ainda. Nem fiques a pensar no que Eu fiz por ti, sem pensares Naquele por Quem foste feita.» Como podia ela deixar de acreditar ainda de modo totalmente humano Naquele por Quem chorava como por um homem? «Ainda não subi para o Pai.» «Tocar-Me-ás quando acreditares que sou Deus, e que sou totalmente igual ao Pai.»

segunda-feira, 19 de julho de 2010

VII CONGRESSO DE JOVENS OCDS


Missa de abertura as 18:00 horas

Juliana, Ceane e Artur

Frei Fabiano, Frei Júnior e Frei Wilson, antes da Santa Missa.

Ana Maria Scarabelli, falando sobre o Congresso.

Elisa e Márcia, ministério de música.





Celebração Eucarística

Dinâmica para apresentação dos congressistas, conduzida por Sérgio.



Dinâmica apresentada por Ana Maria.

Dinâmica de reflexão conduzida por Frei Júnior.

Oração da manha de sábado.

Congressistas e vocacionadas do Carmelo de Fortaleza.

Madre Bernadette, Juliana e Frei Wilson, explicando aos congressistas sobre o escapulário e também os 3 estado de vida existentes no Carmelo.

Terço Mariano, conduzido por Ana Stela, sábado a noite.

Ana Stela após o terço, rezamos pelos 5 continentes.

Missa de sábado a noite.

Frei Fabiano na Homilia.

Frei Fabiano e Natália domingo pela manhã.

Turma da cozinha, domingo pela manhã. As comidas estavam maravilhosas!! Quase irresistíveis. Na foto abaixo: Maria Luiza e Frei Júnior ( Teresa Bernardis e João Boner), mostrando um pouco da culinária do congresso. QUE FOME EM??!!!!!

O VII ENCONTRO DE JOVENS DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS SECULARES...


...aconteceu de 16 a 18/07/10, em Fortaleza/CE, no Centro Inaciano de Espiritualidade-CIES (Igreja do Cristo Rei), tendo como Tema: “O mundo é meu Carmelo”, e Lema: “A Ordem Secular dos Carmelitas Descalços (OCDS) faz do mundo o seu Carmelo” (Frei Patrício Sciadini, ocd). “É sempre uma aventura responder ao chamado de Deus, porém Deus merece esse risco” – Santa Teresa Benedita da Cruz – Edith Stein.

Foi demais!!!!!!! Veja só porque:

NO DIA 16/07 (sexta-feira),
na chegada, recebemos uma pasta com o livro de músicas do Encontro, o livro “O mundo é meu Carmelo” de Frei Patrício (muito bom, logo no 1° cap. é posto que Jesus é nosso único modelo de vida, Aquele no qual devemos nos espelhar e buscar nossa identidade), uma caneta, um garrafa personalizada para colocar água, e um saquinho de jujuba. Todos seguiram para os quartos a fim de se acomodarem.
Às 18 h, na Capela, Ana Scarabelli (Presidente Provincial OCDS) fez-nos um convite “Vinde irmãos, vamos realizar o encontro da alma com o Amado”. Em seguida foi celebrada a Santa Missa, que contou com a presença dos carmelitas descalços Frei Wilson, Frei Júnior e Frei Fabiano. Na homilia Frei Júnior pontuou que o Carmelo é uma extensão do Céu, e a forma de SER Carmelita (revestido do Escapulário se coloca a serviço da humanidade na fraternidade com os outros), marca nossa vida para sempre; fez ainda votos que o Encontro fosse verdadeiramente quente (cheio do fogo do amor de Deus). Ao final da missa foi imposto o Santo Escapulário aos jovens que ainda não o tinham recebido, e entregue um livro que explica a razão dessa imposição (compromisso de vivenciar os passos de Nossa Senhora do Carmo). Seguimos para o refeitório, e tiramos muito proveito de uma das características do carmelita: comer santamente bem.
Às 20 h 30 m nos reunimos no auditório, e o Sérgio, membro ocds de Sete Lagoas/MG, nos falou que a Comissão de Jovens foi formada pela iniciativa de Frei Patrício, durante a realização do XIX Congresso da OCDS, com o propósito de levar a Espiritualidade do Carmelo aos Jovens, e em slides mostrou também a história dos Encontros anteriores.
Foi feita a apresentação de alguns dos organizadores (muitos outros colaboraram, com certeza) desse VII Encontro: o Sérgio; Ana Scarabelli e Paulo (esposo da Ana), ambos de Caratinga/MG; Efigênia (presidente da Comunidade Rainha do Carmelo-Fortaleza/CE); Maria Ester (alegria total), Carlos (nosso fotógrafo de plantão), Elisa (esposa do Carlos) e Márcia que animaram tocando e cantando incansavelmente – os quatro de Itapetininga/SP.
Os jovens também se apresentaram: participantes da ocds Fortaleza, Itaitinga/CE (Comunidade São João da Cruz), vocacionados e vocacionadas ao Carmelo, os sobrinhos (as) da Efigênia (que marcaram presença em bom número), além de adolescentes amigos do Carmelo (Tales, Wandinha...) e jovens de diversos outros locais, como São Luís (Kerlyne).
Depois de lida uma mensagem escrita pelo Frei Alzenir Debastini, ocd, desejando que Deus iluminasse o Encontro, Ana Scarabelli apresentou um teatro onde sonhava com Deus, questionava-se sobre o sentido do Amor de Cristo para os jovens. E citando os santos Teresa D’Ávila, Teresinha, João da Cruz, Beata Elisabete da Trindade, disse que as experiências destes com o Amor Divino não foram sonhos, mas realidade, e que as nossas também devem ser reais, devemos irradiar Luz, pois nascemos para Deus... “Vossa sou, para vós nasci, que mandais fazer de mim?”... Fomos dormir.

NO DIA SEGUINTE, 17/07 (sábado),
o dia começou com um acolhimento muito bonito, e dois convites. Um: “Vamos seguir o mundo com suas estrelas que brilham, Lady Gaga, Britney Spears....! Outro: “Vamos seguir Jesus e seu plano de salvação!”. Acolhendo o chamado de Cristo, optamos pela segunda proposta, e em um local aberto, em contato com a natureza, adoramos à Jesus Eucarístico. Colocamos, além de pétalas de rosas diante do Senhor, o nosso coração, nossos pedidos e agradecimentos. Já na capela, ainda em adoração, nos despojamos de nós mesmos.
Após o café, no auditório, louvamos a Deus com a dança do caranguejo (tinha gente que não conseguia mais parar de dançar, animação não faltou), segue um trechinho:
“Quando a saudade aperta, dói primeiro o pééé, passeio de caranguejo, depende da marééé. Não vou ficar chorando, vendo a vida passaaar, vou entoar meu canto, louvando com os anjos, até o sol raiar” (a coreografia é legal demais).
Dando prosseguimento à programação, tivemos uma palestra com Frei Wilson. Estando com as vestes carmelitas, apresentou e explicou suas partes: escapulário, túnica, capuz, e capa, esta usada em festas e solenidades. Antigamente a capa era listrada, depois, até os dias atuais, foi adotada a cor branca por ser mais discreta. Falou que a Espiritualidade Carmelitana é a do avental, do serviço ao irmão, e que o Espírito Santo nos auxilia movimentando, dinamizando esse servir, pois água parada escurece, perde sua oxigenação. Dando prosseguimento, afirmou que antes de sermos uma bela borboleta, somos uma pequena larva. Tornamos-nos bonitos quando, trabalhando nossa vida, construímos um casulo para rompê-lo e voar. Por fim, disse que no discernimento da vocação o importante é dialogar: saber falar e saber ouvir: “Eu não sei tudo, e o outro também não. Dialogando chegamos à uma comunhão, à verdade divina”.
Após rezarmos pela alma da Selma (ocds, Vargínia/SP), que faleceu depois de um longo período de doença, fomos para o intervalo.
Retornando, Ana Scarabelli, em sua palestra, falou de sua experiência, que tudo para ela gira em torno do Carmelo, que a Espiritualidade Carmelita é a experiência daqueles que se enamoram de Deus, o Qual nos dá esperança de vida, e Nos chama a meditar dia e noite sua Lei.
Em seguida, em torno de uma Imagem de Nossa Senhora do Carmo, nos colocamos como crianças nos braços do Pai (o Luciano – ocds, Fortaleza/CE – simbolizou esse momento, segurando no colo uma das suas filhas). Após dançarmos mais uma, duas, três.......vezes a dança do caranguejo, ao meio-dia, foi servido o almoço: difícil dizer o que estava mais gostoso, tudo sempre muito bem preparado pela turma da cozinha: Dona Zilda e Dona Edivany (senhoras da casa de retiro); Regina, Rosângela, Ana Stela, Valdete, Marília, Livramento, Natália, Fátima Castro, e outras pessoas que ajudaram indiretamente (ocds, Fortaleza).
Às 14 h, no auditório, contamos com a presença da Irmã Bernadete do Carmelo de Santa Teresinha de Fortaleza. Afirmou que em sua experiência de discernimento vocacional, abandonou tudo no seguimento de Cristo. Disse que a pessoa que ama a Espiritualidade Carmelitana e nela se encontra, o objetivo deve ser ENTRAR E PERMANECER no Carmelo. Respondeu a algumas perguntas feitas pelos jovens e falou que estava intercedendo pelo Encontro.
Depois o Frei Júnior dividiu os participantes em grupos para estudo da vida dos seguintes santos: Edith Stein (recebemos uma revista sobre a história dela: “Edith Stein, a Loucura da Cruz – Waltraud Herbstrith), Teresa D’Ávila e Teresinha de Jesus. E na sua palestra, o mesmo considerou que o Carmelo é a Espiritualidade do Coração (centro das decisões), e que devemos nos decidir pelo Salvador de nossas almas. Ainda citou as características que definem a pessoa como imagem e semelhança de Deus: inteligência, liberdade e consciência. (Durante as palestras era passada uma cesta com balas, bombons e pirulitos).
Após o intervalo rezamos o terço missionário diante de uma imagem da Virgem do Carmo (momento dinamizado pela Ana Stela), celebramos a Santa Missa, jantamos (sobre as mesas sempre tinha cartões com frases de nossos santos carmelitas), e num momento de grande descontração participamos do RECREIO TERESIANO. Cada um se fantasiou, se enfeitou (ou desenfeitou), de um jeito diferente, para juntos dançarmos músicas dos anos 70, do Balão Mágico... A animação dos sobrinhos (as) da Efigênia empolgou; Maria Luiza deu um show de alegria, e o Flávio (ambos ocds, Fortaleza) arrasou na escolha das músicas e com o modelito de calça de pijama sobre a jeans. Dançamos o Carmeletion e assistimos à apresentação do JT–JORNAL TERESIANO: Maria Luiza (Fátima Bernades), Frei Júnior (William Bonner), a repórter semi-analfabeta Ana Scarabelli, e a desorientada moça do tempo, Ruth Leite (ocds, Fortaleza - esposa do Luciano), nos fizeram chorar de tanto rir... Logo depois nossas camas nos esperavam.


NO ÚLTIMO DIA (ÁÁÁÁÁÁÁHHH!!!!!!!), 18/07 (domingo),
às 7 h 30 m fizemos uma oração na Capela. Na palestra do Frei Fabiano, vimos que a Ordem dos Irmãos da Bem-Aventurada Virgem do Monte Carmelo, tem a Mãe de Jesus como modelo dos Carmelitas, modelo do “SIM”. O Frei indicou que nosso relacionamento com esta Senhora do Silêncio e da Escuta (a qual soube viver a solidão sonora, que produz frutos) deve ser fervoroso, forte e sincero. Distribui panfletos da Série Espiritualidade, os quais trazem resumos da vida dos Santos e Beatos Carmelitas
Os jovens foram divididos em equipes e apresentaram pequenos teatros resumindo a vivência desses dias, o que aprenderam e gostaram mais (não faltou, claro, a dança do caranguejo). Já se perguntava quando seria o próximo Encontro! (Recebemos um CD contendo fotos e materiais diversos-conteúdo de palestras, slides, etc. Show!!!!!)
Na Santa Missa, durante a Oração da Comunidade, os jovens agradeceram a Deus a oportunidade de participar desse VII Encontro tão divertido e alegre. Batemos a foto oficial, almoçamos (huuuuumm!!!!), e nos despedimos.

Nossos sinceros agradecimentos a todos que trabalharam arduamente; aos visitantes Giovani, Renato, Cláudia, Adélia, Everton; aos que ajudaram direta e/ou indiretamente e que não estão aqui citados; aos amigos que não puderam estar presentes, mas rezaram por nós; aos membros das Comunidades de Minas e de São Paulo; aos de outras Comunidades, os quais também contribuíram com suas orações; enfim, que o Coração do Pai Eterno os guarde e santifique hoje e sempre! Obrigada!

(Em breve postaremos algumas fotos, bem como testemunhos sobre o Encontro).

Abraços fraternos,
Ceane Ribeiro (Maria José de Jesus Mazurek, ocds)

quinta-feira, 15 de julho de 2010

SANTA TERESA E OS SINAIS DE DEUS


Teresa de Jesus, no capítulo 25 do Livro da Vida, coloca nos pontos 2. e 9., a importância da experiência da vida de oração, a fim de não se ser enganado pelo demônio.
De fato, assim como Deus fala à alma, também o intelecto e o mau espírito falam. Para discernir a vontade de Deus, seus desígnios e planos, é fundamental não abandonar a oração: perseverar neste caminho, mesmo não se considerando digno e inteiramente fiel é o que Santa Teresa aconselha, pois assim se retomará o caminho da luz.
No ponto 11. do mesmo cap., Teresa considera que as alegrias de Deus (sua comunicação com a alma) produzem pacificação, fortaleza, suavidade... “bem diferente de umas devoçõezinhas que se desfolham ao primeiro sopro de perseguição e nem merecem o nome de devoções. São bons princípios e santos sentimentos, mas insuficientes para se determinar se provêm do bom ou mau espírito... Pessoas que não estejam adiantas na oração e só chegam a este ponto, poderiam ser enganadas se tivessem visões ou revelações”.
Assim, importa frisar, que se uma pessoa não estiver unida ao Senhor através da oração concreta (contínua– experiência de oração –), poderá ser iludida por ela mesma ou pelo diabo. Na verdade, este se aproveita sempre de algum ponto não muito bem trabalhado da própria estrutura humana. Por isso, além de se conhecer bem, todos os acontecimentos da vida devem ser colocados à luz do silêncio, para precepção se determinado sinal provém de Deus. E mais, mesmo vindo do céu, qual o significado dele: É para sempre? Foi essencial para maior amadurecimento e deve passar? As respostas estão em nós e o “Sol da Justiça”, na oração, irá clarear tudo.
Grande ajuda nos dá igualmente a Sagrada Escritura, isso diz Santa Teresa no ponto 13. Quando os fatos da vida não estão conforme a Bíblia, se está indo por um caminho que a volta pode ser bem difícil.
No entanto, temos um Deus cheio de amor o qual quer ser amado, e nos “toma em suas mãos”, não permitindo que a alma a Ele pertencente, se perca. Sim, muitas vezes abandonando a oração, segue-se cego; quando se percebe o desacerto, o Senhor está ao lado, pronto a conduzir a ovelhinha extraviada ao bando novamente.
Quão indispensáveis são as orações dos sinceros amigos, pois suas preces sobem ao céu como incenso agradável ao Pai. Além do próprio anjo da guarda, tem-se tantos outros aqui na terra que nos auxiliam com sua intercessão. Graças demos ao Senhor, bendito seja!
Concordar que o distanciamento da oração só traz dano à alma não basta, viver em espírito de, é o que importa. Além disso, é preciso compreender que nesse distanciamento o perigo de prejudicar e de nos prejudicarem é maior. Prejudicar no sentido de não ajudar a esclarecer, mas confundir; não respeitar a liberdade, porém prender a todo custo. E quando naturezas que precisam ser aperfeiçoadas se encontram, só Deus! Louvado seja o Senhor por Ele ser o Autor da vida!
“Duelam forte e mais forte, é a vida que enfrenta a morte” (Ana Scarabelli). E a vida vence a morte! Dóceis ao Espírito de Deus “todos somos capazes quando, como Maria, dissermos Sim, ‘Eis a serva do Senhor’ ”.

“Quando vier o Espírito da Verdade, ele encaminhará vocês para toda a verdade, porque o Espírito não falará em seu próprio nome, mas dirá o que escutou e anunciará para vocês as coisas que vão acontecer”. Jo 16, 13.

Encerremos tudo na misericórdia de Deus, e Lhe sejamos gratos por tudo o que somos e temos!

Abraços fraternos,
Ceane Ribeiro (Mariana José de Jesus Mazurek, ocds)

terça-feira, 13 de julho de 2010

O recreio de Santa Teresa de Jesus


A ternura e a alegria eram para Teresa manifestações tão puras do amor ao próximo_ e portanto de Deus _ que, nos recreios, chegava a inflamar-se de um ardor impetuoso e, incapaz de resistir ao impulso do espírito, se punha a dançar, volteando e batendo palmas, como Davi dançava diante da Arca da Aliança, como ainda hoje dançam as suas compatriotas e as suas filhas do Carmelo. Ao vê-la, todas a acompanhavam, "num arranque de gozo espiritual".
Quando anos mais tarde, Ana de Jesus, acompanhada de Ana de São Bartolemeu, for à França fundar os primeiros conventos, as freiras francesas ficarão pasmadas vendo essa venerável Madre, "mais semelhante a um serafim que a uma criatura mortal, ensaiar uns passos de dança no coro, cantando e batendo palmas à maneira espanhola, mas com tanta majestade, graça e galhardia, que inspirava respeito e a alma se sentia comovida e elevada a Deus". Tinha-o aprendido de Teresa de Jesus.
(Marcelle Auclair)

domingo, 4 de julho de 2010

Reunião Comunidade Rainha do Carmelo-03/07/10


Iniciamos a reunião desejando paz de Cristo um ao outro através de calorosos abraços fraternos.
Dando princípio ao momento de oração, a Ana Stela lembrou que Santa Teresa sempre procurou a Deus, e após rezarmos o Salmo 62 e cantarmos a música Vivo sem viver em mim, em silêncio meditamos que nossa busca de Deus deve ser feita em nós mesmos.
Em seguida a Daniele falou do 2º elemento (negrito abaixo) do documento Elementos para o Discernimento da Vocação à Ordem Secular dos Carmelitas Descalços (Frei Aloysius Deeney, ocd): um membro praticante da Igreja Católica que (discursado reunião passada pela Cláudia), debaixo da proteção de Nossa Senhora do Monte Carmelo... Continuaremos. Nossa irmã enfatizou que a pessoa chamada ao Carmelo, assim como a Virgem de Nazaré, deve ter em seu coração a inclinação a meditar.
A Efigênia distribuiu uma oração para a eleição provincial, que a Província de São José indicou que rezássemos em comunidade e individualmente até a eleição, e abriu o momento dos avisos:


· Teremos recesso comunitário e retornaremos 07/08.
· O Retiro de Ibiapina será de 23 a 25/07. Valor: R$ 35,00 (sem roupa de cama). Algumas pessoas estão se organizando para irem de carro (combustível dividido).
· O Encontro de Jovens está se aproximando: 16 a 18/07 em Fortaleza/CE.
· No dia 16/07 (Nossa Senhora do Carmo) haverá o Encontro dos Devotos do Escapulário na Ermida de São José – Carmelo Santa Teresinha – às 19 h.

Depois da leitura do documento de Comunicação do Pe. Geral, fomos para o recreio que estava recheado de imensa alegria e muitos comes e bebes - fotos abaixo:

O bonito e feliz casal Giovani e Daniele


Ceane e Regina (com mãos e bocas ocupadas)


Recebemos o Módulo nº 13 – Caminhando com Teresa de Jesus rumo ao V Centenário – que trouxe a formação dos capítulos 28 ao 31 do Livro da Vida. A Neila iniciou um debate aberto sobre os referidos capítulos, e nos enriquecemos conjuntamente sobre tudo posto.

Rezamos as vésperas intercedendo pelos membros que não puderam estar presentes, como também por seus familiares.

(A Espanha está na semifinal da Copa do Mundo de Futebol 2010!!!!!!!! Vamos torcer!!!!!)










Abraços,
Ceane Ribeiro (Mariana José de Jesus Mazurek, ocds)









sexta-feira, 2 de julho de 2010

Doce Jesus, fica comigo, porque tudo é bom junto de Ti!


ORAÇÃO ESCRITA POR FREI TITO BRANDSMA
(na passagem de 12 para 13
de fevereiro de 1942,
na prisão de Scheveningen)

Ao vos contemplar, meu Jesus,
compreendo que vós me amais,
como um amigo querido,
e sinto que vos amo também.
O vosso amor, bem o sei,
pede cruz e coragem;
mas o sofrimento é o único
caminho para vossa glória.

Se novas dores me afligem,
as considero como suave dom,
porque me assemelham a vós,
porque me unem a vós, Senhor.

Deixem-me só, neste frio;
não preciso de ninguém;
a solidão não me mete medo,
porque estais perto de mim.

Ficai comigo, bom Jesus,
não me abandoneis!
A vossa presença divina
torna tudo belo e fácil.

“Amar e sofrer, sofrer e amar!

Estas duas coisas andam juntas. O amor nos faz padecer, e padecer nos faz amar.

Sinal de amor a Deus, do puro amor a Deus,
é desejar e buscar sempre a vontade de Deus,
do Senhor.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

SANTOS E BEATOS CARMELITAS



JULHO:
09- Beata Giovanna Scopelli
13- Santa Teresa de Jesus dos Andes
16- Nossa Senhora do Carmo
17-Beata Teresa de Santo Agostinho e companheiras
20- Santo Elias
24- Beato João Soreth/ Beatas Maria Pilar, Teresa e Maria Ângeles
27- Beato Titus Brandsma



13 de Julho: Santa Teresa de Jesus dos Andes

Juanita Fernández Solar é a primeira chilena e a primeira carmelita americana elevada à honra dos altares. Nasceu em Santiago do Chile a 13 de Julho de 1900, no seio de uma família profundamente cristã. Foram seus pais Miguel Fernández e Lucía Solar.
Viveu uma infância marcada por uma intensa vida mariana, que foi um dos alicerces mais fortes da sua vida espiritual. O conhecimento e o amor à Mãe de Deus vivificaram e mantiveram todos os momentos do seu itinerário no seguimento de Cristo.
Fez os seus estudos no Colégio do Sagrado Coração (1907 - 1918). Profundamente afetiva, julgava-se incapaz de viver separada dos seus. No entanto, assumiu generosamente o sacrifício de estudar nos últimos três anos, em regime de internato, o que lhe serviu de ensaio para a separação definitiva consumada a 7 de Maio de 1919, ao entrar nas Carmelitas dos Andes.
Tinha sentido, aos catorze anos, a vocação para o Carmelo. Através da leitura dos Santos carmelitas, e da frequente correspondência com a Priora dos Andes, foi-se preparando para assumir a vida contemplativa. No Carmelo chamou-se Teresa de Jesus, não chegando a viver nem sequer um ano no convento. Morreu no dia 12 de Abril de 1920. As religiosas afirmavam que ela entrara já santa, de modo que, em tão breve tempo, pôde consumar o caminho de santidade iniciado muito a sério já antes da sua Primeira Comunhão.
Beatificada por João Paulo II em Santiago do Chile, a 3 de Abril de 1987, foi solenemente canonizada pelo mesmo Sumo Ponfífice, em Roma, no dia 21 de Março de 1993.
(Indicação: O Livro Novena à Santa Teresa de los Andes - Patrício Sciadini, 2006, Loyola - é uma oportunidade de mergulhar no amor de Deus seguindo os passos desta santa. Muito barato, custa entre R$ 3,00 e 5,00: imperdível!!!)


16 de Julho: Nossa Senhora do Carmo


"Ó Senhora do Carmo, revestido de vosso escapulário, eu vos peço que ele seja para mim sinal de vossa maternal proteção, em todas as necessidades, nos perigos e nas aflições da vida. Acompanhai-me com vossa intercessão, para que eu possa crescer na Fé, Esperança e Caridade, seguindo a Jesus e praticando Sua Palavra. Ajudai-me, ó Mãe querida, para que, levando com devoção vosso santo Escapulário, mereça a felicidade de morrer piedosamente com ele, na graça de Deus, e assim, alcançar a vida eterna. Amém."



20 de Julho: Santo Elias


Em tempos de Elias, meados do século IX a.C., a terra ocupada pelos hebreus — a mesma originariamente prometida por Deus a Moisés — estava dividida em dois reinos: Israel e Judá. O reino do Norte, Israel, caíra na idolatria e adorava Baal, o deus da sensualidade, servido por 850 sacerdotes sob ordem do rei Acab e de sua mulher Jezabel, ela de origem fenícia.
Tomado de zelo pela causa do Senhor, Elias levanta-se e increpa o rei idólatra: “Viva o Senhor Deus de Israel em cuja presença estou, que nestes anos não cairá nem orvalho nem chuva, senão conforme as palavras de minha boca (III Reis, XVII, 1). Em seguida se retira para o deserto, onde corvos levam-lhe milagrosamente o alimento.
Entrementes a seca vai se tornando cada vez mais insuportável. O rei Acab vai ao encontro de Elias e o interpela: “Porventura és tu aquele que trazes perturbado Israel?” E Elias responde: “Não sou eu que perturbei Israel, mas és tu e a casa de teu pai, por terdes deixado os Mandamentos do Senhor e por terdes seguido Baal. Mas não obstante, manda agora, e faze juntar todo o povo de Israel no monte Carmelo, e os quatrocentos e cinqüenta profetas de Baal, e os quatrocentos profetas dos bosques que comem da mesa de Jezabel. Mandou pois Acab chamar todos os filhos de Israel, e juntou os profetas no monte Carmelo” (III Reis, XVIII, 17-20).
Diante dos profetas de Baal, Elias increpa o povo: “Até quando claudicareis vós para os dois lados? Se o Senhor é Deus, segui-o; se, porém, o é Baal, segui-o. .... Eu sou o único que fiquei dos profetas do Senhor, mas os profetas de Baal chegam a quatrocentos e cinqüenta homens. Contudo dêem-nos dois bois, e eles escolham para si um boi, e, fazendo-o em pedaços, ponham-nos sobre a lenha, mas não lhe metam fogo por baixo; e eu tomarei o outro boi, e o porei sobre a lenha, e também não lhe meterei fogo por baixo. Invocai vós os nomes dos vossos deuses, e eu invocarei o nome do meu Senhor; e o Deus que ouvir, mandando fogo, esse seja considerado o verdadeiro Deus”.
Os profetas de Baal sacrificam o boi, colocam-no sobre a lenha e clamam, horas a fio, por seu falso deus. Baal não lhes responde. “Gritai mais alto, porque ele é um deus, e talvez esteja falando, ou em alguma estalagem, ou em viagem, ou dorme, e necessita que o acordem” — escarnece Elias. Desesperados, os falsos profetas cortam-se com estiletes, oferecem sangue ao ídolo. Tudo em vão. O sangue idólatra corre, mas do céu não desce fogo.
Elias então constrói um altar de doze pedras, simbolizando as doze tribos de Israel. Empilha a madeira, molha tudo com água, e sobre o altar coloca o boi sacrificado. E então se dirige a Deus: “Senhor, Deus de Abraão e de Isaac e de Israel, mostra hoje que és o Deus de Israel e que eu sou teu servo, e que por tua ordem fiz todas estas coisas. Ouve-me, Senhor, ouve-me para que este povo aprenda que tu és o Senhor Deus, e que converteste novamente o seu coração” (III Reis, XVIII, 36).
Desce assim fogo do céu e consome o holocausto, não só o boi, mas a lenha, as pedras e até mesmo a água! Ao povo — que exclama, de rosto por terra, “o Senhor é o Deus, o Senhor é o Deus” — ordena Elias: “Apanhai os profetas de Baal, e não escape deles nenhum só” (III Reis, XVIII, 40). Os falsos profetas de Baal são trucidados junto à torrente do Cison. Em parte pelo povo, em parte por Elias, estuante de ardor pela causa do verdadeiro Deus.


27 de Junho: Beato Titus Brandsma


Nasceu em 23 de fevereiro de 1881 em Bolsward, Holanda, como Anno Sjoera Brandsma. Era um jovem de família piedosa, sendo que três de suas quatro irmãs eram freiras e um irmão era padre franciscano. Tinha o apelido de “Baixinho” e era bom estudante. Sentiu um chamado especial para a religião. Entrou então para o Seminário dos Frades Menores Franciscanos aos 11 anos, mas aos 17, com problemas de saúde, teve que sair. Mais tarde juntou-se aos Carmelitas em Boxmeer, e fez os seus votos como Tito, em 1899.

Conhecia bem o italiano, o alemão, o inglês e o espanhol. Com isso traduziu os trabalhos de Santa Tereza d’Ávila do espanhol para o alemão, publicado em 1901. Foi ordenado em 1905, aos 24 anos. Aos 28 anos já era Doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, em 1909. Foi professor no Seminário Carmelita de Oss, nos Paises Baixos e editor do jornal local, em 1919. Ensinou Filosofia na Universidade Católica de Nijmegen. Freqüentemente era visto com um charuto na boca.

Foi Superior da casa do estudante da Universidade Carmelita. Era grande orador, jornalista e visitava inúmeras Universidades de vários países. Como Conselheiro eclesiástico dos jornalistas católicos em 1935, fez vários discursos em uma turnê católica nos Estados Unidos, e neste mesmo ano, escreveu um trabalho indo de encontro às leis anti-semitas (ódio aos judeus alemães), o qual chamou a atenção da Alemanha nazista, que o prendeu em 19 de janeiro de 1942.

Por diversas semanas foi transferido de cadeia a cadeia. Foi torturado e punido por ministrar a confissão e absolvição a outros prisioneiros. Deportado para o campo de concentração de Dachau, em abril 1942, era diariamente punido e passava fome, mas pediu aos prisioneiros para orar pela salvação dos carcereiros. Utilizado para experiências médicas, quando não teve mais utilidade, foi assassinado. Assim é considerado um mártir.

Morreu em 26 de julho de 1942 com injeção letal no campo de concentração de Dachau. Sua executora era uma enfermeira criada como católica, mas que deixou a religião tempos atrás. Seu corpo foi cremado e não sobrou nenhuma relíquia. Sua Beatificação deu-se no papado de João Paulo II, em três de novembro de 1985.

(Indicação: O filme “O julgamento de Nuremberg” - cidade alemã devastada por Hitler e seus seguidores - mostra o julgamento dos líderes dos campos de concentração, que mataram milhares de judeus, durante a Segunda Guerra).
Fiz um trabalho acadêmico sobre esta produção cinematográfica, a quem interessar, posso enviar.


Abraços fraternos,

Ceane Ribeiro (Mariana José de Jesus Mazurek, ocds)